Exposição "As Imagens Icónicas da National Geographic"

42167316_10157631500473942_3980437636799004672_o.jpg
 

No Festival de Cinema Aventura queremos iluminar imagens que sejam rastilhos de acção. Criar um espaço democrático que nos ajude a refletir conscientemente o presente e futuro da sociedade em que vivemos. Por isso trabalhamos com a National Geographic Society para trazer às ruas de Matosinhos 60 fotografias memoráveis que marcaram a história.

O primeiro registo fotográfico do Machu Picchu, captado por Hiram Binghan em 1911, ("foi de tirar o fôlego" disse mais tarde o fotógrafo), o leão do Serengeti de Michael "Nick" Nichols ou a China rural retratada pela lente de Chris Johns são alguns dos registos que estiveram em exposição integrando a programação paralela em 2018.

Esta é uma mostra atípica na sua concepção, que dispensa as paredes brancas de um museu para se entranhar numa das principais artérias de Matosinhos e no mercado municipal. Nas 60 imagens há registos de natureza, retrato, fotografia de política ou sociedade, momentos icónicos para a humanidade que se alicerçam em escolhas de ordem estética e histórica.

À medida que a vamos descendo a rua, ao lado dos carris do metro e em direcção ao mercado, encontramos a mulher de Cabul, de Thomas J. Abercrombie, envolta em chadri vermelho a carregar pintassilgos numa gaiola, as pêras maduras à janela, uma natureza morta de Sam Abell, com Moscovo e o Kremlin a sobressaírem por trás das cortinas de renda, ou a expedição polar Ziegler, de 1903-1905, acompanhada por Anthony Fiala; mas também nos deparamos com prédios de serviços desabitados há anos, casas antigas com a tinta a descascar e alguns estabelecimentos resistentes, confeitarias, lojas de roupa, talhos e restaurantes, instituições que se opõe à alienação do tempo.

Já dentro do mercado, o movimento é outro. O peixe e os legumes frescos dividem a atenção com uma geisha fotografada por Chris Johns a comer um pedaço de tofu, com investigadores a prepararem-se para um voo em balão estratosférico e a olharem para a lente de Richard Hewitt Stewart ou com a estátua do grande Buda esculpida em Bamiyan, no Afeganistão, e eternizada por Maynard Owen Williams.

Imagens Icónicas é um retrato do tempo e do espaço, da natureza e do ser humano. Misturada com a rotina de uma cidade como Matosinhos, onde os costumes antigos estão tão presentes, a exposição mostra que nenhuma das 60 imagens se pode dissociar do mundo em que vivemos.

texto da Filipa Teixeira para a Sábado

 
Tiago Costa