"The Dawn Wall" no Cinema Ideal

Captura de ecrã 2018-11-09, às 15.03.30.png
Captura de ecrã 2018-11-09, às 15.08.28.png
 

Num evento organizado pela Nomad em parceria com a RedBull Media House, levamos ao Cinema Ideal o filme “The Dawn Wall”.

Quando Tommy Caldwell e Kevin Jorgeson completaram a épica escalada de 19 dias da Dawn Wall em Yosemite, em 2015, o mundo quase parou, ou não fosse esta a escalada de big wall mais difícil até agora tentada.

Josh Lowell e Peter Mortimer filmaram a subida e o desenrolar da história. Agora, três anos depois, os frutos deste trabalho ganham vida no filme “The Dawn Wall”, com relatos que são não só sobre o sucesso desta aventura, mas, também, sobre a obsessão de sete anos que Caldwell tinha com esta parede.

“Esta escalada demorou sete anos até acontecer. Passámos sete anos a filmar com eles e outros três a editar o filme.” diz o co-realizador Josh Lowell

A história começa no ano 2000, quando o jovem Caldwell foi raptado, com a sua namorada, por milícias do Quirguistão. O trauma que se seguiu foi o que, em última instância, levou à deterioração da sua relação e, num momento de desespero, a ideia de escalar a Dawn Wall.

“The Dawn Wall” é uma história sobre Caldwell derrotar os seus demónios ao fazer o impossível. Naquela altura, ninguém sonhava que escalar esta icónica parede de Yosemite fosse possível.

Foram sete anos de dolorosas tentativas para Caldwell conseguir resolver as várias sequências individuais dos 915 metros de parede.

“Quando estás cá em baixo e olhas para cima pensas que é impossível escalar esta parede,” disse Caldwell na altura. “Mas é disso que estás à procura. Queres descobrir uma coisa que pareça absurda e arranjar maneira de dar a volta a isso.”

A história explodiu em Dezembro de 2015 quando o New York Times fez capa com dois escaladores a tentar uma via impossivel.
Apesar de todas as câmaras, equipas de filmagem, updates no Facebook e o interesse do New York Times, há uma grande parte da história que nunca foi contada, explica Lowell.

“Toda a cobertura foi feita através do chão, relatando apenas os factos mais básicos,” diz Lowell. “O que o filme dá é uma visão profunda daquilo que se passou na parede e, por exemplo, como, na altura, foi a conversa em que o Tommy teve de escolher se abandonava o Kevin ou se ficava com ele até ao fim.”

Em Portugal o filme foi exibido como uma extensão do Festival de Cinema Aventura no Cinema Ideal e no Cinema Trindade, numa iniciativa da Nomad com o apoio da RedBull Media House.

É uma história sobre dedicação e como este momento foi o culminar de tudo na vida do Tommy
— Peter Mortimer
 
Tiago Costa